Pular para o conteúdo principal

O que o Design pode fazer pela mobilidade urbana nas cidades brasileiras: um desafio holandês

. Competição criativa holandesa estimula designers do mundo todo a propor soluções para o grave problema do trânsito em São Paulo. Será que os brasilienses se animam?

Realizada anualmente em Amsterdam desde 2010, a conferência What Design Can Do é focada no poder do design como ferramenta de transformação social. Diferentemente de outros eventos de design, ela não é pautada por grandes nomes do meio (embora Bruce Mau, Pentagram, os irmãos Campana, Oliviero Toscani, Fred Gelli e Alex Atala, entre muitos outros, tenham palestrado e conduzido workshops) ou trabalhos para grandes marcas (embora Google, Ikea e Freitag não sejam exatamente startups), mas por projetos que façam diferença - em qualquer escala - perante alguns dos grandes problemas que o mundo enfrenta hoje, como o aquecimento global e a dramática questão dos refugiados.


Desde 2015 a conferência também vem sendo realizada anualmente com grande sucesso em São Paulo (no video abaixo, um resumo da edição 2017), em uma parceria com a Mandacaru, e edições em cidades do México, Índia e Quênia estão programadas para acontecer nos próximos três anos. Além da conferência em si, há uma série de seminários, treinamentos e programas de aceleração que são conduzidos durante o ano para viabilizar os projetos submetidos nos desafios temáticos propostos em cada edição.


O desafio proposto atualmente pelo WDCD envolve questões de uso urbano de energia. Batizada de Clean Energy Challenge, a competição criativa contém desafios específicos para cinco cidades: Amsterdam, São Paulo, Cidade do México, Nairóbi e Déli. Designers, engenheiros, arquitetos, estudantes, startups, criativos etc podem enviar propostas até 5 de dezembro, sem custos de inscrição. No caso de São Paulo, a proposta é levantar soluções mais sustentáveis do que as já existentes, ou em curso (como veículos elétricos), para resolver os problemas que o trânsito da maior cidade brasileira acarreta: desperdício de tempo em engarrafamentos, desperdício de combustível e o nocivo nível de emissão de gases (assista ao vídeo abaixo).



Os projetos serão avaliados por sua relevância, impacto, viabilidade, aplicabilidade em outros locais, originalidade e seu comprometimento da equipe que os propuseram. Os vencedores receberão um financiamento de até €10.000,00 para serem desenvolvidos, participarão de um programa de aceleração com foco em atrair investimentos e serão apresentados na WDCD e em todas suas mídias e plataformas.



DICA Dar uma olhada nas instruções mas-ti-ga-di-nhas, e em português, que você baixa daqui. E boa sorte!

_Imagens: What Design Can Do e Bruno Porto
 . . 
Bruno Porto é designer gráfico, professor e consultor. Entre 2012-2017 foi coordenador do curso de Design Gráfico do Centro Universitário IESB e membro do Conselho Consultivo da Adegraf. Atuou como curador da 12ª Bienal Brasileira de Design Gráfico 2017, corealizada pela ADG Brasil e Adegraf em Brasília, e integrou o Colegiado Setorial de Design da Secretaria de Cultura do Distrito Federal (2014-2017). É membro do Conselho Consultivo da ADG Brasil e do GIBI - Grupo de Estudos de História em Quadrinhos do Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Comunicação da Universidade de Brasília – UnB. Atualmente vive na Haia, Holanda.

Postagens mais visitadas deste blog

Tabela Referencial de Valores da Adegraf 2016-2018

Está no ar a nova Tabela Referencial de Valores da Adegraf. Trabalho desenvolvido a muitas mãos, a Tabela deste ano está mais completa e muitos termos foram revistos e atualizados, visando sua melhor compreensão por parte do público, tanto dos profissionais que a utilizam quanto do mercado.
Esperamos que ela continue servindo de referência a todos e agradecemos o trabalho conjunto dos associados que ajudaram na realização deste projeto. Clique aqui para fazer o download ou copie e cole o link: http://media.wix.com/ugd/819e53_64a1447f6e234ee79612f012c49dd43e.pdf

Diretoria Adegraf


A Marca do Designer

Em 1986, após sua saída da Apple, Steve Jobs chamou Paul Rand – um dos mais influentes designers gráficos do século XX – para criar a marca de sua nova empresa, a NeXT. Desse projeto, Jobs tirou lições que, segundo ele, todo o designer, cliente ou empreendedor deveria considerar.
Nesta entrevista, ele contou como foi trabalhar com Paul Rand e o que aprendeu com o designer. 

Já nós, designers, podemos aprender com a postura profissional de Paul Rand, se posicionando como especialista para resolver o problema da empresa. Jobs o descreve como, “mais que um artista, um solucionador de problemas de negócios”.
Steve Jobs desejava que sua nova empresa tivesse um símbolo que fosse imediatamente associado à marca – algo que leva muito tempo e dinheiro para acontecer na mente do consumidor. Segundo ele, Rand encarou o projeto como um problema a ser resolvido, e não como um desafio artístico em si. 


"O significado de uma marca deriva da qualidade do que ela representa, e não o contrário.&qu…

O DESIGN E A CIDADE

Nesse meu percurso escrevendo sobre Brasília Cidade Criativa do Design, percebo ainda mais o quanto os acontecimentos são sazonais. São momentos de muitos eventos, e outros de pouca exposição. Dessa vez, temos muita promessa para o futuro, enquanto o aqui agora está por acontecer!
Semana passada houve importante encontro com a Adegraf e IESB, assim continuando a parceria estabelecida anteriormente com o convênio de desconto para associados Adegraf. 
Em 2019 está previsto em Brasília o "X Encontro Internacional de Políticas Públicas e Design", de 11 a 13 de setembro no Centro Universitário IESB; o último evento aconteceu em novembro de 2018 no Uruguay, organizado pela Red Latinoamericana de Políticas Públicas y Diseño, como momento de reflexão, colaboração, aprendizado, troca de experiências e impulsionamento de Políticas Públicas para o Design.
Políticas públicas de Design são importantíssimas e geram impacto positivo para o desenvolvimento econômico e social. 
Segundo Gabri…