Pular para o conteúdo principal

Postagens

A Marca do Designer

Em 1986, após sua saída da Apple, Steve Jobs chamou Paul Rand – um dos mais influentes designers gráficos do século XX – para criar a marca de sua nova empresa, a NeXT. Desse projeto, Jobs tirou lições que, segundo ele, todo o designer, cliente ou empreendedor deveria considerar.
Nesta entrevista, ele contou como foi trabalhar com Paul Rand e o que aprendeu com o designer. 

Já nós, designers, podemos aprender com a postura profissional de Paul Rand, se posicionando como especialista para resolver o problema da empresa. Jobs o descreve como, “mais que um artista, um solucionador de problemas de negócios”.
Steve Jobs desejava que sua nova empresa tivesse um símbolo que fosse imediatamente associado à marca – algo que leva muito tempo e dinheiro para acontecer na mente do consumidor. Segundo ele, Rand encarou o projeto como um problema a ser resolvido, e não como um desafio artístico em si. 


"O significado de uma marca deriva da qualidade do que ela representa, e não o contrário.&qu…
Postagens recentes

Ano Novo Laranja

A Holanda recebe 2019 com a 50ª edição de uma divertida ação de marketing.

Enquanto o Brasil sofre com os escândalos de seus laranjas políticos, a Holanda adota a cor - tradicionalmente associada à família real Oranje-Nassau - em seu uniforme de futebol e na principais festividades nacionais. Entre elas, uma recente tradição iniciada na década de 1960 ficou associada a uma bem sucedida campanha promocional identificada por um gorrinho laranja: o Mergulho do Ano Novo — em holandês, Nieuwjaarsduik.



Inspirados por um clube de natação canadense - o Polar Bear Swim Club - que desde a década de 1920 repete o feito anual, nadadores holandeses passaram a saudar o ano novo no dia primeiro de janeiro com um mergulho no gelado Mar do Norte. Em 1965 o Nieuwjaarsduik chegou à Scheveningen, um dos oito distritos da capital política do país, Den Haag, e a praia mais famosa da Holanda. O que começou com apenas oito nadadores ganhou popularidade e se tornou um evento organizado pela prefeitura para mil…

DESIGN E SOCIEDADE

No caminho de escrever sobre o design para o meu TCC da formação em Pedagogia Waldorf me dei conta de que as pessoas não entendiam nem se interessavam sobre o design como eu, sobretudo porque eu estava pensando e escrevendo sobre o "pensamento do design" e não sobre a prática. Demorei para lembrar que as pessoas têm imagens prontas para as palavras e no caso do design é uma salada mista: Design de sobrancelhas, design de moda, design de interiores, design de superfície, design de produto, design gráfico, design thinking, Apple, Nike, Louis Vuitton, Philippe Starck e por aí vai...
Foi desafiador trazer para leigos a minha imagem sobre o design e a tarefa do designer. Me lembrei então da inspiração do Gui Bonsiepe e sua vasta bibliografia para me auxiliar na pesquisa. Não tínhamos muita literatura disponível no meu tempo de faculdade e o primeiro livro sobre design que eu encontrei para vender em uma livraria, foi de Gui Bonsiepe: Desenho Industrial, tecnologia y dependência. …

Aproveitamento de papel no design gráfico

Esse termo é muito utilizado quando se trata de impressão de publicações e impressos em gráfica. É a definição do formato de peça de design que aproveite melhor o corte final do projeto na gráfica. Ao ignorar o aproveitamento de papel, o trabalho geralmente fica mais caro e ainda causa algum impacto no planeta. Afinal, nem tudo que jogamos fora é proveitoso novamente. Mesmo que a gráfica possua um sistema sustentável e venda as aparas restantes, é sempre ruim jogar material no lixo. Acaba trazendo algum impacto na natureza. No design, não se pensa apenas nos requisitos estéticos, como muitos imaginam. É a soma de vários itens: estética, custo, forma, função, usabilidade, etc. Nesse conjunto, o designer projeta o que tem de melhor e mais útil para a sociedade. Parece brincadeira, mas um centímetro pode dar uma diferença enorme no orçamento final, principalmente quando se tem uma tiragem muito grande! No mercado gráfico existem diversos formatos padrão que tem mais aproveitamento. Muitas g…

O DESIGN E A CIDADE

FELIZ ANO VELHO
No final de 2018 houve uma exposição de 40 árvores de natal conceituais no aeroporto JK.
A Mostra Natal Arte foi uma criação de 40 designers brasilienses via projeto do Instituto de Produção Socioeducativo e Cultural Brasileiro (IPCB), com apoio financeiro da Secretaria de Esporte e Turismo do DF.

A exposição, que teve como objetivo reforçar o conceito de Brasília "Cidade Criativa do Design", gerou curiosidade e polêmica ao explorar as possibilidades reflexivas e interpretativas paralelas ao momento de fim de ciclo que vivenciamos.

A torre de TV, o Museu da República e alguns outros pontos turísticos também receberam projeções e luzes decorativas, com o projeto Natal Monumental, em convênio da Secretaria de Turismo e a CEB, proporcionando assim atividades lúdicas e vivenciais para o turismo local que ficaram acesas até o dia de Reis.

Assim seguimos, com projetos que proporcionaram reflexão e influenciaram na economia criativa da capital!

Aguardando novas açõ…

Sobre Designers & Negócios

Quando falamos em gestão de marcas, entendemos ser um processo coletivo, realizado por um grupo de profissionais, entre eles, designers.

"Quanto mais as empresas passam a enxergar design como uma oportunidade de gerar negócios, maior fica a responsabilidade e o escopo de atuação dos designers dentro dessas mesmas empresas. O conselho aqui é: embrace the chaos."   Fabricio Teixeira, Design Director na Work & Co

Há mais de uma década o design tem sido visto com mais e mais interesse por executivos e estrategistas brasileiros, refletindo um movimento global: a inclusão do design como fator importante no desempenho das empresas.
Porém, a atitude inversa tem sido pouco notada. Tenho visto poucos designers gráficos demonstrando interesse no mundo dos negócios e isso, para mim, é um problema.
Se alguns ainda acham que ser conhecedor dos aplicativos gráficos e saber reproduzir as tendências visuais é o que importa, precisamos conversar. Em tempos de serviços de design online, o …

O Design e a Pedagogia Waldorf

"Só quando houvermos aprendido a amar a objetividade, a realidade das coisas, as coisas tal qual são, é que poderemos decidir-nos por meio de razões lógicas. Assim aprenderemos gradativamente a pensar de modo objetivo, sem preferência por este ou aquele pensamento. Nossa visão das coisas se alargará, nosso pensamento se tornará prático – não no sentido rotineiro, mas de modo tal que os objetos e fenômenos do mundo exterior é que nos ensinarão a pensar." Rudolf Steiner Fui convidada para escrever para este blog uma vez por mês e confesso que recebi com espanto o convite, mas me enchi de coragem e aceitei o desafio de compartilhar aqui os conteúdos que me movem e transformam. Design, educação, filosofia, antroposofia, fenomenologia, autoconhecimento, propósito, estes são alguns dos assuntos que pretendo trazer para este espaço. Vou contar aqui um pouquinho da minha tese de conclusão da formação que acabo de concluir sobre a Pedagogia Waldorf.
Desde que meus filhos nasceram a min…