Pular para o conteúdo principal

O DESIGN E A CIDADE

Nesse meu percurso escrevendo sobre Brasília Cidade Criativa do Design, percebo ainda mais o quanto os acontecimentos são sazonais. São momentos de muitos eventos, e outros de pouca exposição. Dessa vez, temos muita promessa para o futuro, enquanto o aqui agora está por acontecer!

Semana passada houve importante encontro com a Adegraf e IESB, assim continuando a parceria estabelecida anteriormente com o convênio de desconto para associados Adegraf. 

Em 2019 está previsto em Brasília o "X Encontro Internacional de Políticas Públicas e Design", de 11 a 13 de setembro no Centro Universitário IESB; o último evento aconteceu em novembro de 2018 no Uruguay, organizado pela Red Latinoamericana de Políticas Públicas y Diseño, como momento de reflexão, colaboração, aprendizado, troca de experiências e impulsionamento de Políticas Públicas para o Design.

Políticas públicas de Design são importantíssimas e geram impacto positivo para o desenvolvimento econômico e social. 

Segundo Gabriel Patrocínio, autor do Livro "Design e Desenvolvimento, 40 anos depois" (1), não é nova a ideia de que o Design deve integrar o rol de ferramentas governamentais para enfrentar problemas complexos de gestão e políticas públicas. Nos dias atuais não se fala mais unicamente em políticas de design, mas também no design de políticas. No primeiro caso o design é um instrumento de promoção de desenvolvimento, enquanto que no segundo ele é utilizado na elaboração de políticas públicas. 

O Design contribui para a promoção do desenvolvimento estratégico da economia e da sociedade, ao trazer para o setor público e para o ambiente empresarial o resultado de uma conexão entre as ferramentas de educação, pesquisa e inovação.

A ONU classifica o Design como propulsor da Economia Criativa, ao propor soluções inovadoras para problemas cotidianos. Edna dos Santos-Duisenberg, autora dos dois primeiros relatórios sobre a Economia Criativa editados pela ONU, comenta que o Design Thinking vem sendo muito utilizado para implementação de políticas públicas, sustentabilidade e planejamento urbano das cidades. Esse processo colabora para a humanização e criação de espaços mais inclusivos, inovadores e sustentáveis, promovendo mais efetivamente o bem estar social e consequentemente trazendo impacto positivo para a economia local (2). Segundo o relatório de 2018 (3), o Design vem liderando o mercado mundial entre as indústrias criativas.

Pensar o Design é tão importante quanto respirar!

REFERÊNCIAS:


(2) fonte: texto de apresentação do livro citado (1)



+ LINKS:



BRASÍLIA: CIDADE CRIATIVA DO DESIGN

_" Brasília, a capital criada do zero no centro do país, em 1956, foi um marco na história do planejamento urbano. O urbanista Lúcio Costa e o arquiteto Oscar Niemeyer pretendiam que cada elemento – da arquitetura das áreas residenciais e administrativas (frequentemente comparadas à forma de um pássaro durante o voo) à simetria dos próprios edifícios – estivesse em harmonia com o design geral da cidade. Os edifícios oficiais são especialmente inovadores e criativos.l".
Data de inscrição: 1987 - Fonte: ©UNESCO/ Edson Fogaça

Nota: "Brasília recentemente ganhou dois totens de sinalização turística em homenagem ao título de Patrimônio Cultural da Humanidade, concedido pela Organização das Nações Unidas para Educação, Ciência e Cultura (Unesco).

A iniciativa foi realizada em parceria entre Secretaria de Esporte, Turismo e Lazer, Secretaria de Cultura e Secretaria de Gestão do Território e Habitação, com a cooperação internacional da Unesco e a aprovação do Instituto do Patrimônio Histórico, Artístico e Nacional (IPHAN)". 



VAI ACONTECER:

MARCADORES:
#Design #PolíticasPublicasDesign #ADEGRAF
#EconomiaCriativa #DesignThinking #BrasiliaCidadeDesign

Eneida Figueiredo
Designer Gráfica, Ilustradora e Associada Fundadora da ADEGRAF, onde atua como membro do Conselho Deliberativo. Formada em Artes Visuais pela UnB e com especialização em Marketing pela ESPM, atualmente é Sócia na Caju Design. Desde sempre apaixonada por Design, Inovação e Economia Criativa.
skype: eneidafigueiredo

Postagens mais visitadas deste blog

Terminologia básica no design de marcas

As terminologias ou nomenclaturas são o conjunto de termos particulares, designações ou palavras dentro de uma ciência, profissão, convenção ou empresa. Elas ajudam no entendimento coletivo sobre determinado assunto, dando a definição e descrição de termos utilizados naquela área. Ou seja, dão significado às expressões para que os profissionais e o público em geral possam utilizá-las de forma correta. Outra vantagem é a uniformização desses termos, dando unidade e evitando mal entendidos. No design gráfico isso não é diferente, no dia a dia usamos muitos termos bem característicos e outros que também já caíram na "boca do povo". Porém muitas vezes percebemos o uso incorreto de alguns termos. O glossário de termos dentro do design gráfico é grande, mas para começar escolhi alguns termos mais usuais, aqueles mais ligados ao Design de Marcas. Creio que esse artigo poderá contribuir para que possamos falar a mesma língua e difundir esses termos em sua forma mais exata. LOGOTI

ABNT disponibiliza primeira norma para serviços de design

Os serviços de Design tem sua primeira norma brasileira publicada, a ABNT NBR 16516 Serviços de Design - Terminologia , que conceitua os termos básicos do Design, e pode ser adquirida pelo site: http://www.abntcatalogo.com.br/sebrae/ Ela é fruto de dois anos de trabalhos da Comissão de Estudo Especial de Serviços de Design da ABNT (ABNT/CEE-219), uma parceria firmada entre a ABNT e o Sebrae, que contou com a participação de representantes de diversas instituições profissionais e de ensino do país (ADP, ADG, Adegraf, Abedesign, Prodesign-PR, Sindesign, ABD, Centro Brasil Design, Centro Minas Design, ABRE, Abiplast, Abinee, INPI, CAU, SEBRAE, PUC-PR, UERJ, SENAC, SENAI, UFPR, FAAP, UEMG e UniBH), e que também esteve aberta à participação pública pelos sites daquelas instituições. Os trabalhos da Comissão continuam em andamento, agora no desenvolvimento da norma ABNT NBR 16585 Serviços de design – Diretrizes para boas práticas , que está aberta para consulta nacional pelo site: http:/

A Marca do Designer

Em 1986, após sua saída da Apple, Steve Jobs chamou Paul Rand – um dos mais influentes designers gráficos do século XX – para criar a marca de sua nova empresa, a NeXT. Desse projeto, Jobs tirou lições que, segundo ele, todo o designer, cliente ou empreendedor deveria considerar. Nesta entrevista, ele contou como foi trabalhar com Paul Rand e o que aprendeu com o designer.  Já nós, designers, podemos aprender com a postura profissional de Paul Rand, se posicionando como especialista para resolver o problema da empresa. Jobs o descreve como, “mais que um artista, um solucionador de problemas de negócios”. Steve Jobs desejava que sua nova empresa tivesse um símbolo que fosse imediatamente associado à marca – algo que leva muito tempo e dinheiro para acontecer na mente do consumidor. Segundo ele, Rand encarou o projeto como um problema a ser resolvido, e não como um desafio artístico em si.  "O significado de uma marca deriva da qualidade do que ela repr