Pular para o conteúdo principal

Por que preciso mudar minha marca?

Antes de qualquer coisa, a renovação de uma marca é algo muito comum, não fique espantado...

Observe as marcas que estão à sua volta e perceberá que muitas empresas renovaram sua identidade visual recentemente. Isso ocorre em todos os segmentos, por diversas razões... O dia de alterar ou modernizar a sua marca também vai chegar, fique tranquilo.

 As marcas possuem uma vida útil, ficam desatualizadas ou apenas necessitam de uma renovação por motivos estratégicos da organização.

 Esse texto visa exemplificar algumas razões para isso.

 1) Mudança de nome

 Talvez o primeiro motivo seja a escolha incorreta ou inadequada do nome. Por falta de um estudo mais profundo ou até mesmo em função da pressa, o nome escolhido pode ter sido a melhor opção em um certo momento, mas posteriormente se mostra inadequado para representar a marca, seja por vários motivos, e chega o dia em que é preciso mudá-lo.

 Outra razão muito comum é a falta de registro junto ao Instituto Nacional de Propriedade Industrial (INPI), órgão regulador dessa tarefa. Se uma empresa escolheu um nome mas não se preocupa em protegê-lo legalmente, pode vir a ter problemas no futuro quando descobre que uma outra empresa tem o mesmo nome registrado ou em processo de registro.

 Também é corriqueira a ampliação ou mudança de atividade. Você escolhe um nome que limita a sua atuação e depois resolve expandir seus serviços. Ou seja, o nome fica desconexo com a realidade atual.

 A escolha do nome é muito importante, pois a sua marca ou empresa vai ter que ser representada por ele durante muito tempo ou, se tiver sorte, para sempre. O naming, atividade do Design que trabalha a escolha e planejamento do nome de uma marca, produto ou empresa, é uma das etapas mais complexas realizadas pelo Designer, seja em função de termos muitas mempresas no ramo, quanto pelas regras legais que limitam a escolha de um nome e seu registro.

 Enfim, a alteração de uma marca por mudança de nome pode ser necessária.

 2) A marca está visualmente arcaica ou antiga 

 Muita gente não sabe, mas as marcas também contam histórias. Elas podem estar ligadas à uma época ou momento específico da história da empresa, quando foram criadas, e, com o passar do tempo, ficam sem consonância com as mudanças socioculturais ou da própria empresa e de seus produtos e serviços. Quando o desenho da marca não acompanha essas mudanças, corre o risco de tornar-se ultrapassada.

 A ampliação ou mudança de atividade também pode afetar a percepção de como a marca é vista pelo consumidor, tornando-a desatualizada quando deixa de comunicar o que precisa para seu público.

 O mundo está em constante evolução. O mercado atual demanda um nova postura em relação a pensamentos e hábitos de consumo. As gerações mudam e mesmos as pessoas mudam suas preferências com o passar dos anos. Em alguns casos, não atualizar a marca pode passar uma impressão de abandono ou falta de cuidado com a comunicação e ela deixa de ser contemporânea. Como o mundo de hoje é bastante dinâmico, acompanhar as mudanças faz parte do jogo.

 3) A marca não foi contcebida por um profissional 

 Aqui o negócio é mais sério do que muitos pensam. Para desenvolver um projeto de marca e sua identidade visual é fundamental ter conhecimento e expertise adequados para tal. Entretanto, por motivos de economia, nem sempre o serviço é realizado por um profissional com tais qualificações, o que pode acarretar em uma grande perda de tempo e dinheiro do parte do empresário.

 Para começar, o prestador de serviços sem formação específica ou experiência de mercado pode não ter a competência necessária para entender como funciona um projeto de identidade visual. Ele pode não ser capaz de prever o uso da marca em todo o universo de pontos de contato com o cliente e apenas criar um desenho ou símbolo "engraçadinho" que não alcançará o verdadeiro potencial que uma marca exige. Isso não é suficiente. É preciso projetar uma marca pensando em todas as suas aplicações e, principalmente, nas diretrizes do branding da empresa. E imprescindível o desenvolvimento de um manual de aplicação consistente e que oriente todos os agentes que tenham contato com a marca (gestores, fornecedores, parceiros, etc) para que possam aplicá-la de forma correta.

 Muitas vezes, quando solicitamos o envio da marca para a realização de um trabalho, é bem comum perguntarmos pelo arquivo em formato vetorial, qual o Pantone de referência, a tipografia utilizada e um monte de outros detalhes que geralmente o dono da marca desconhece, mas que devem estar previstos no manual de identidade visual. Quando isso acontece, já vi muita gente capturando a marca na internet. Você pode perguntar: Qual o prejuízo? Pois bem, cada vez que isso acontece, a marca perde qualidade e sai diferente do planejado, o que demonstra falta de zêlo do empresário com a própria imagem da empresa.

 Mas o que eu faço então?

 Existem casos que somente o redesign de uma marca pode ajudar. Em outros, basta ajustar o desenho atual dentro de um sistema de identidade que tenha um melhor funcionamento. Cada caso deve ser visto individualmente.

 A sugestão que deixo é contratar uma consultoria em design para avaliar a marca e sua identidade e, assim, traçar a melhor estratégia.

 Eduardo Meneses (Designer Gráfico, Consultor em Design, Vice-presidente da ADEGRAF)

 Fonte: https://www.linkedin.com/pulse/por-que-preciso-atualizar-minha-marca-eduardo-meneses

Postagens mais visitadas deste blog

A Marca do Designer

Em 1986, após sua saída da Apple, Steve Jobs chamou Paul Rand – um dos mais influentes designers gráficos do século XX – para criar a marca de sua nova empresa, a NeXT. Desse projeto, Jobs tirou lições que, segundo ele, todo o designer, cliente ou empreendedor deveria considerar. Nesta entrevista, ele contou como foi trabalhar com Paul Rand e o que aprendeu com o designer.  Já nós, designers, podemos aprender com a postura profissional de Paul Rand, se posicionando como especialista para resolver o problema da empresa. Jobs o descreve como, “mais que um artista, um solucionador de problemas de negócios”. Steve Jobs desejava que sua nova empresa tivesse um símbolo que fosse imediatamente associado à marca – algo que leva muito tempo e dinheiro para acontecer na mente do consumidor. Segundo ele, Rand encarou o projeto como um problema a ser resolvido, e não como um desafio artístico em si.  "O significado de uma marca deriva da qualidade do que ela repr

ABNT disponibiliza primeira norma para serviços de design

Os serviços de Design tem sua primeira norma brasileira publicada, a ABNT NBR 16516 Serviços de Design - Terminologia , que conceitua os termos básicos do Design, e pode ser adquirida pelo site: http://www.abntcatalogo.com.br/sebrae/ Ela é fruto de dois anos de trabalhos da Comissão de Estudo Especial de Serviços de Design da ABNT (ABNT/CEE-219), uma parceria firmada entre a ABNT e o Sebrae, que contou com a participação de representantes de diversas instituições profissionais e de ensino do país (ADP, ADG, Adegraf, Abedesign, Prodesign-PR, Sindesign, ABD, Centro Brasil Design, Centro Minas Design, ABRE, Abiplast, Abinee, INPI, CAU, SEBRAE, PUC-PR, UERJ, SENAC, SENAI, UFPR, FAAP, UEMG e UniBH), e que também esteve aberta à participação pública pelos sites daquelas instituições. Os trabalhos da Comissão continuam em andamento, agora no desenvolvimento da norma ABNT NBR 16585 Serviços de design – Diretrizes para boas práticas , que está aberta para consulta nacional pelo site: http:/

Criação do Fórum Brasileiro de Design

Atenção: notícia exclusiva publicada em primeira mão pelo blog políticas de design hoje, dia 28 de novembro de 2008, foi criado, no centro design rio, o fórum brasileiro de design, entidade que se propõe a congregar as associações profissionais e acadêmicas e os centros de promoção de design brasileiros, estabelecendo, pela primeira vez, uma consonância de propósitos e atuações de toda a comunidade de design brasileira. o fórum brasileiro de design nasce da conclamação das associações reunidas durante a brazil design week, no sentido de se promover o alinhamento da atuação e de reivindicações, criando massa crítica e representatividade para se dialogar com o governo no planejamento e execução de políticas públicas de design e na realização coordenada de ações de promoção do design brasileiro. neste sentido, o fórum será um organismo supra-institucional, de representatividade conjunta de todas as associações e centros de promoção quando isto se fizer necessário. o fórum não pretende ser